4.6.08

Not much chance for survival

Ontem eu tive que dar meia-volta do Consulado e fui para casa pensando em tudo o que aconteceu. E continuei pensando muito até dormir de tanto chorar. Eu finalmente admiti para mim mesma que preciso ir em um profissional, um psiquiatra. Não adianta mais eu ter medo de tomar remédios e virar um semi-vegetal; talvez seja bem melhor eu não sentir nada do que sentir tudo (depressão, raiva, ansiedade) do jeito como eu sinto, que é tão intenso que eu não consigo controlar mais. Isso já está me fazendo mal fisicamente e agora me fez perder um grande amigo. Eu sei que eu fui muito escrota em Ribeirão e que eu errei. Sim, ainda acho que os episódios de babaquices dele estão ficando mais comuns, eu sei que outras pessoas também o consideram de lua e vivendo no próprio mundo, mas ele realmente não fez nada comigo lá que justificasse o meu comportamento. Da primeira vez que ele me disse para ir num médico (ele me chamou de psicótica) eu não levei a sério porque eu fiz coisas planejadas. Dessa vez, eu fui escrota por impulso. E por causa daquele sentimento idiota que eu odeio sentir e que a essa altura do campeonato eu nem deveria. Mas não fui assim só com ele; mas teve que a outra pessoa vir a me chamar de bipolar para eu realmente começar a levar mais a sério, até porque eu já tinha pensado nisso (inclusive, uma hipótese mais plausível do que eu ser assim por criação é ser algo hereditário). Então, hora de encarar o medo. Só tenho que ver questões práticas – se vou em alguém no Rio ou em BH – mas é isso.

PS1: Esses alemães não trabalham não?

PS2: Leis de Murphy: o arquivo com os dois resumos prontos será misteriosamente deletado se você não tiver um back-up e você terá que re-escrever tudo de novo.

PS3: O bom disso tudo é que resolvi produzir pra caralho, só falta submeter para publicação, o que só depende da disponibilidade do Alex.

PS4: A Rebeca do DAAD está me recomendando 4 meses pro DAAD de lá, então só devo ir em Dezembro.

Um comentário:

Janine disse...

Oláaa,

Engraçado, qdo me contaram de vc no congresso disseram que estava super bonita e sempre cheia de companhia! Não imaginava tanta agitação interna. Confesso que eu me acho uma desestabilizada pois aparentemente todo mundo está bem, feliz e com um sorriso no rosto, doutorando ou mestrado indo a mil e etc. Parece que para eles não existe a lei de Murphy!!!Mas acá no surrr, o sentimento e expressão das personas foram moldados no frio glacial dos ventos trazidos da Antártica!!! Bla bla bla, já to eu pregando... (viu que que dá conviver com seu irmão?). Fia, se tá te incomodando, vá no dotô pq estresse de Pós pode ser genético ou fisiológico! Beijocas