18.12.07

Viagem ao centro do Brasil!!

Palmas, 12 de dezembro

Antes de mais nada: PARABÉNS BEAGÁ! 110 anos da cidade mais linda do Brasil, com curvas belissimamente desenhadas pelo Niemeyer. Minha cidade é uma criança, mais nova que o Rio, mais nova que a Paulista, mas pelo menos bem mais velha que Palmas. <:o)

Falando nisso, seguem as primeiras impressões de Palmas (e do Tocantins), a partir do trajeto Aeroporto-UFT-pousada:

1. O rio Tocantins é enorme! Por causa de uma represa de uma hidrelética aqui perto, ele tem 8 km de largura. Uma ponte comprida sobre ele. Tá, nada perto da Rio-Niterói, mas o rio não deixa de impor respeito.

2. A cidade é planejada nos moldes de Brasília. Tem avenidas looooooooooongas, que a cruzam de um lado a outro. Mais tarde, na pousada, vi um mapa: é o tabuleiro de xadrez da Alice.

3. Por sinal, os táxis aqui SÃO caros mesmo! Meus olhos!!

4. O campus de Palmas é o mais PV (pé-vermeio, pros ignorantes) que já vi! Mais que Contagem e a rua do Juliano antes das obras. Todo mundo avisou do calor aqui, mas para quem pegou 39º na porta de casa por dois dias seguidos, isso aqui tá bem. E é seco! Ao contrário do Inferno no Fundão1, os caminhos entre os prédios da UFT (pelo menos os que eu fui) têm cobertura para proteger do Sol. Genial. De quebra, ainda peguei um pôr-do-Sol no rio Tocantins de babar: o campus é às margens dele. Ponto para cá. Eu e Maurílio chegamos à mesma conclusão de formas independentes. Estações do ano no Rio: Outono, Inverno (dura no máximo 1 semana), Primavera (termina em Novembro) e INFERNO!

5. Para chegar na pousada, peguei o ônibus da UFT (o branquinho daqui) e desci numa região mais central. E aí peguei um moto-táxi! Meu pai vai me matar, eu nunca quis andar na moto com ele, por medo. Mas como me disse o moto-taxista: “Quando se precisa...” A pousada é super simples, mas limpinha, com banheiro no quarto. O chuveiro não esquenta, mas a água não é gelada, que magavilha! E é super barata também. Obrigada Shadow!!!! Eu recomendo.

6. Concorrência: um cara com o Pough no mesmo avião que eu, o gêmeo do Bafinho, um cara que tá no INPA e que conhece o Mauro Triques, Marcelo Brito, Carla e Paula (“MUNDO BOLINHA DE GUDE”, Eisemberg 2007), e um amigo dele. Mais de 10. Tomara que nem todos venham pressas bandas. Falando nisso, tem alguém inscrito na vaga de paleonto?

Bora revisar a matéria, apesar do documentário sobre Van Gogh na TV. Força, força. Beijundas.

Palmas, 13 de dezembro

Primeiro emoção não-requisitada: a Claro “acertou” o relógio do meu celular enquanto eu dormia. Pode isso? Cheguei toda desesperada na UFT às 6 da manhã. Saco.

A prova escrita teve duas questões: Evolução dos padrões de fenestração craniana nos Amniota e Anatomia comparada do sistema nervoso, endócrino e sensorial dos Craniata. Nadei de braçada na primeira, ralei na segunda. Me dei bem também no sorteio do ponto da prova didática, História evolutiva e relações de parentesco e diversidade dos grandes grupos de Amniota. Fala sério, se não fossem aves e mamíferos, eu saberia tudo de cor e salteado. Vou usar giz / caneta e resolvi simplesmente imprimir umas folhas com ilustrações. Acho que nem vou estudar, uahuaha. Viva meu XP da UFMG.

Ainda bem que não fui a única a achar que o amigo de Carla e Paula do INPA tava tirando onda comigo de concorrente fodão. Amigooo (insira aqui sotaque paulistano), enfia seu artigo de 30 páginas na Copeia e o na revista de nomenclatura lá onde o sol não bate, porque os critérios desse concurso estão no edital e deixam meus dois artiguinhos na RIA em pé de igualdade com esses seus. A diferença é que eu estudei.

Primeira decepção do dia: estou bem certa quer terei que vender um rim se eu quiser ir pro Jalapão. Dois dias de praia no rio Tocantins, então!

Por fim, resolvi entrar no MSN e só passo raiva. Ainda bem que no Police eu fui despreocupada, ao contrário do que foi no Roger Waters. Nem vi o Pulha perto de mim (o mentiroso disse que não ia). Aliás, truco, meia dúzia ladrão!: vai dizer que não recebeu o bilhete que deixei na porta do lab dele, as muitas ligações pro cel e um email (que enviei para dois endereços diferentes dele) é blefe demais para mim. Deixe as mentiras pra a Sra. Pulha, ela acredita nele, coitada. Preciso muito passar num desses concursos e me mudar para muito longe dos dois.

Palmas, 14 de dezembro

Não escrevi nada ontem porque fiquei boa parte do dia (e da noite) bebendo cerveja! Muito legal conhecer pessoas com histórias tão diferentes da minha, mas com um objetivo em comum... é, até que a pousada aqui tá concorrida! Conversar com filósofos mexeu com a caixola aqui.

Como eu não terminei as coisas ontem, hoje tive que trabalhar na aula e não fui à praia. Tenho que ir de qualquer jeito amanhã. Vem ni mim rio Tocantins!

Aliás, eita lugar quente! Aqui a estação do ano é Inferno, igual no Rio!

PS: Parabéns Oscar Niemeyer! <:o)

Palmas, 16 de dezembro

Domingo, dia de programa Silvio Santos.

Hoje foi a prova didática, tinha um maldito paleontólogo (não o são todos? Uahauha) na banca, que reclamou que eu não apresentei táxons fósseis! Amniota em 30 minutos, onde que eu deveria enfiar Saurischia, Ornithischia, Parareptilia (pessoas que querem que vc fale sobre o grupo delas...)

Mal eu cheguei, esse cara já gritou, vc que é a Taissa? E eu, meio atônita, me perguntando como ele sabia. Resposta: ele pegou o mesmo avião que eu em Brasólha e me viu estudando o Hildebrand. Engraçadinho, não?

O que me fez pensar: fazer concurso no Sudeste deve ser estranho, com pessoas conhecidas na banca!

Aproveitei e fui na praia, onde o rio é mais lago que tudo. Murphy’s laws: fará um sol de rachar nos dias em que estudarás, e choverá quando fores à praia. AFF.

Eita mundão. E tanto que ainda falta para eu ver...

E o bambu?

Palmas, 17 de dezembro

Última postagem do Tocantins, diretamente da sala de embarque. Amanheceu chovendo, mas agora parou. O bom é que ficou tudo mais fresquinho e com cheirinho de chuva. Último passeio de mototáxi, não comprei nada de capim dourado porque os preços são absurdos, não vou almoçar porque no vôo tem comida. Fui com a cara de Palmas, bem que eu podia passar nesse concurso aqui. Vai que eu tenho que começar a me despedir dos shows, dos jogos no Maracanã...

Falando em shows, não fui no Chris Cornell para vir para cá e não foi o fim do mundo. Mas ainda estou cantarolando Message in a bottle...

Se eu morresse, onde será que minha mãe me enterraria? Acho que quero ficar em Minas. Lembrem-se: tem que tocar Head Over Heels enquanto baixam meu caixão e não pode ter velório.

Esse post vai ficar gigante no blog.

2 comentários:

Gabriela disse...

esses concursos me assustam. se fosse fazer as questões, acho q non acertava nada.... preciso procurar uns projetos paralelos. isso me faz sentir tão.. inútil.

GH of Xaos disse...

Head Over Heels - Hammerfall?
Boa sorte!
Ano que vem é hora de eu começar a procurar esses concursos!